INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

cinefilia

Admirei a pequena cinemateca que o homem tinha, era impressionante, centenas de filmes de acção e terror, todos com imagens fortes na capa e títulos muito parecidos.
- Este é que é um bom filme - rugiu o meu vizinho, entregando-me uma cassete – Tenho-o em VHS e DVD. É um filme dos que a gente gosta cá em casa, muitos tiros, sangue, enredo, mortes, histórias assustadoras. Gosto particularmente deste, porque é a vingança que engatilha o trama. O actor é um bocado paspalhão, mas o filme mostra como é a vida real. Nada como um filme de acção ou terror para uma pessoa ficar entretida. A mim só me chateia que tenham pervertido um bom actor de acção como o Clint Eastwood do Dirty Harry ou o Scwarzenegger do Massacre e os tenham transformado em actores sonolentos de historiazinhas dramáticas e comédias. É de vómitos!
- Não conheço o Massacre
- Gansgsters! Tem uma cena que é um clássico, ele entra numa cave cheia de gangsters armados de metralhadoras, e consegue limpar os gajos sem sofrer um arranhão, uma coisa poderosa, bíblica, o herói armado até aos dentes, a distribuir chumbo pela escumalha enquanto as balas silvam à volta.
- Tal como na vida real.
- Podes crer. Levas este filme e diz-me o que achas dele. Se gostares tenho mais, muitos e muito diferentes desse. É só escolheres..
Agradeci e tomei o caminho da porta mas, antes de a alcançar, fui barrado pelo filho dele, um adolescente com uma máscara de Freddy Kruger.
- Ó Lopes! – interviu – antes de ir, não quer espreitar a nossa colecção de lápides tumulares?

Dicionário

                O “seu” dicionário não tinha muitas palavras, e entre estas, havia muitas quase virginais, intocadas, outras devassadas e p...