biografia breve

Quando era pequeno, gostava de imaginar que era um faquir, cravando no seu próprio corpo lâminas e agulhas, ou a fingir que dormia numa cama de pregos quando se deitava no tapete de cerdas rijas. As opções e os acasos da vida fizeram dele um seringuir.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...