Poço

(imagem daqui)

O sono tem veredas e caídas, desce-se por ele como por uma escadaria dantesca em espiral, e só nos refazemos realmente quando atravessamos o âmnio do onirismo tumultuado. A descida tem assomos de suspeitas e visões proféticas dos sonhos lá de baixo e nada é estável ou linear, mas, uma vez que lá se chega, mergulhamos em lagos densos onde divagam as nossas raízes mais fundas, e os dias futuros têm tanta consistência e nitidez como os dias que vivemos na semana anterior ou no alvorecer da nossa primeira infância.


Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...