espiral

Era um miúdo andrajoso, calções velhos, uma camisa aberta com as abas atadas abaixo do umbigo saliente, sandálias nos pés e palhinha de capim ao canto da boca. Olhava vagamente o alcatrão e o movimento dos aviões, com os dedos duma mão na rede, e acenando vagamente com a outra. Foi uma imagem nítida, surpreendida quando o avião manobrou na pista antes de levantar voo. Foi a sua última memória de Moçambique. Tem voado em círculos desde então.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...