Vício

O mirone mirava e amava a sua vizinha do prédio em frente e estava sempre à coca para a ver desfilar seminua pela sala de vidraças largas, com um monóculo à mão para adular as suas feições sensuais e a curva suave entre as coxas, e um binóculo para galar os seios e as nádegas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...