negativa

Não sou um guia de monumentos, não sou um curador do património edificado ou um técnico de restauro e conservação. Mas sou um zelador de ruínas.

2 comentários:

  1. Talvez seja o que todos somos, de algum modo. Talvez as ruínas sejam o que somos, ou o caminho que nos trouxe ao que se é. Ou só memórias frágeis, muitas por existir.

    ResponderEliminar
  2. Ou talvez as ruínas sejam circulares, como no conto de Borges.

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...