há horas assim

Estás triste? – É o negrume! Respondeu, e a resposta bastava, negrume não era apenas uma palavra, era uma faixa do espectro da tristeza, mais sombria que o cinzento, amassada com queixumes mudos e extintos lumes. É o negrume! Repetiu para si mesmo com cansaço, com o livro inerte diante de si, olhando alheado as chamas morrediças da lareira

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...