árvore

(Fomos talvez feitos para ter raízes e alimento e uma nesga de céu florir e nutrir na estação correcta e morrer com os nós desfeitos e no termo certo mesmo quando esse fim é o de um raio trazido por um lembrete de calendário mas o que somos rebela-se contra os papéis que escreveram para nós queimamos as raízes num moloque de coisas vãs e vaidosas e mordemos os dias com as notas do riso e da loucura).

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...