INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Histórias

Entrou a medo naquela loja de antiguidades da baixa lisboeta. Uma loja ampla e muito iluminada, com expositores repletos de moedas e pratas, livros encadernados e pequenos objectos de arte sacra. Sentia a timidez de um ignorante na matéria, diante de tantos objectos que intimidavam como arcanos alquímicos. Um empregado abordou-o, um jovem de uns vinte anos, vestido a rigor e de ar grave e cabelo escorrido como um empregado de funerária. Explicou-lhe que queria comprar uma lembrança para a noiva, que gostava muito de antiguidades e velharias. O vendedor encaminhou-o para uma vitrina com talheres de prata. Era um serviço completo que estivera ao uso na mesa da rainha D. Maria II, como poderiam comprovar por um certificado próprio. Empunhando um garfo com uma fita dourada à volta, pediu-lhe que o mirasse atentamente. No reflexo da luz nos dentes era possível descortinar pequenas mossas produzidas pelo marfim dalguns dentes da nobreza, quiçá, da própria rainha. Perante a sua indiferença, sacou duma gaveta uma caixinha de veludo, que abriu cerimoniosamente, revelando um botão largo dourado com uma pedra ao centro. Em voz baixa, explicou que aquele botão pertencia ao casacão que o rei D. Carlos envergava quando foi baleado, podia-se ver nele a marca produzida por um chumbo que nele ricocheteou, não fosse aquele botão e talvez o rei tivesse morrido alguns minutos mais cedo. Recusou novamente, já quase a desistir. Queria apenas uma pequena prenda, uma graça, para oferecer a uma mulher inteligente e requintada, não precisava de ser nada exorbitante e nem que tivesse pertencido à realeza, mesmo com certificado comprovativo. O empregado acenou afirmativamente e trouxe-lhe uma caixinha de prata com um pente de casca de tartaruga. Aquele pente, afiançou, era o pente com que Eça de Queirós penteava o bigode e, se a sua noiva se interessava por literatura, também tinham no acervo da loja, a pequena pinça com que a Florbela Espanca catava os chatos da região púbica, e o escovilhão grotesco com que o Bocage costumava coçar os tomates.

Dicionário

                O “seu” dicionário não tinha muitas palavras, e entre estas, havia muitas quase virginais, intocadas, outras devassadas e p...